Arquivo da tag: Cibercrimes

CPICIBER: EFF explica as perigosas propostas contra o cibercrime no Brasil

tradução do texto "A Battery of Dangerous Cybercrime Proposals Still Hang Over Brazil" (Uma bateria de Perigosas Propostas Contra o Cibercrime Ainda Pendem Sobre o Brasil), publicado em 28/04/2016 por Katitza Rodriguez e Seth Schoen no site da EFF -  Eletronic Frontier Foundation (Fundação Fronteira Eletônica)

Ativistas de direitos digitais em todo o Brasil seguraram o fôlego ontem, enquanto a Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Cibercrimes (CPICIBER) debateria se enviaria seu relatório à Câmara dos Deputados para tramitar e ser debatido pelas comissões temáticas. No final, a votação foi adiada e remarcada para terça-feira, 3 de maio. Um adiamento não corrige os problemas nas propostas da Comissão — mas pode mostrar uma percepção crescente da atenção negativa que o relatório está angariando junto a internautas no Brasil.

Take ActionCombata os novos PLs autoritários contra cibercrimes no Brasil Continue lendo CPICIBER: EFF explica as perigosas propostas contra o cibercrime no Brasil

Senado: aprovado PL que dispensa ordem judicial para acesso a dados cadastrais

No dia 6 de abril de 2016, por unanimidade, a Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional (CEDN) aprovou em caráter terminativo o projeto de lei do Senado nº 730 de 2015 (PLS 730/15), de autoria do Senador Otto Alencar (PSD/BA), que “Dispõe sobre a investigação criminal e a obtenção de meios de prova nos crimes praticados por intermédio de conexão ou uso de internet“. Agora, o PLS, que se contrapõe às garantias previstas no Marco Civil da Internet, aguarda o envio à Câmara dos Deputados. Continue lendo Senado: aprovado PL que dispensa ordem judicial para acesso a dados cadastrais

CPICIBER: organizações da sociedade civil apresentam 2ª Nota Técnica

2ª Nota Técnica [.pdf]
2ª Nota Técnica

Nesta sexta-feira (22), o Instituto Beta, ao lado da Coding Rights e do Coletivo Intervozes, encaminhou para o Deputado Espiridião Amin, Relator da Comissão Parlamentar de Inquérito de Crimes Cibernéticos – CPICIBER, uma 2ª Nota Técnica, em resposta à 2ª versão do Relatório final da CPI, divulgada em 11 de abril de 2016. O documento, com nove propostas de alterações explicadas detalhamente ao longo de 20 páginas, foi enviado por email, acompanhado de uma versão resumida, com 4 páginas. Continue lendo CPICIBER: organizações da sociedade civil apresentam 2ª Nota Técnica

CPICIBER: organizações da sociedade civil apresentam suas preocupações ao Relator

Na tarde desta quarta-feira (30), às vésperas da audiência marcada para a leitura da 1ª versão do Relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito de Crimes Cibernéticos – CPICIBER, estivemos em reunião presencial no Gabinete do Deputado Espiridião Amin, Relator da Comissão, e entregamos por escrito à assessoria a apresentação da Nota Técnica das organizações da sociedade civil, reproduzida abaixo.

Trata-se de uma breve síntese dos nossos insumos para o desafio normativo de combater cibercrimes em equilíbrio com a proteção dos direitos fundamentais, de modo a evitar principalmente que o Estado, ao investigar ou reprimir ilícitos, incorra em violações em massa e sistemáticas de garantias legais e constitucionais de quem usa a Internet no Brasil.

No endereço http://cpiciber.codingrights.org está disponível a íntegra da Nota Técnica Continue lendo CPICIBER: organizações da sociedade civil apresentam suas preocupações ao Relator

TI no Congresso #9: de 26 a 30 de outubro de 2015

Segunda-Feira, 26/10

Senado

Comissão Senado do Futuro

A Comissão Senado do Futuro realiza audiência pública interativa sobre o “Futuro das Cidades e as Cidades Sustentáveis”. Entre os convidados estão representantes do Ministério das Cidades e do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (CGEE/MCTI).

Terça-Feira, 27/10

Câmara dos Deputados

Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público

A CTASP reunirá especialistas em uma audiência pública a partir das 14h30 para debater o aplicativo Uber. Foram convidadas, entre outros, o coordenador-geral do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), Rone Evaldo Barbosa, o presidente do Cade, Vinícius Marques de Carvalho, o porta-voz do Uber Brasil, Fábio Sabba e o diretor de Operação do Aplicativo 99 Taxis, Pedro Somma. Continue lendo TI no Congresso #9: de 26 a 30 de outubro de 2015

TI no Congresso #8: de 19 a 23 de outubro de 2015

Terça-Feira, 20/10

Câmara dos Deputados

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

A CCJC reunirá especialistas em uma audiência pública a partir das 10h para debater o Projeto de Lei 139/99, que altera direitos de patente e propriedade industrial. Foram convidadas, entre outros, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro; o secretário executivo da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), Naldo Medeiros Dantas; e a presidente da Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI), Elisabeth Kasznar Fekete

A votação do projeto está prevista para às 14h30. A matéria encontra-se com parecer redigido pelo deputado André Moura (PSC/SE) pela constitucionalidade e, no mérito, pela aprovação.

Comissão Parlamentar de Inquérito – Crimes Cibernéticos

A CPICIBER realizará uma audiência pública às 15h com o coordenador nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), Rubens Alberto Gatti Nunes.

Comissão Especial sobre Telecomunicações (PL 6789/13)

A Comissão realizará uma audiência pública às 15h para debater o Regime Jurídico dos Serviços de Telecomunicações e a Reversibilidade dos Bens sob a perspectiva do garantismo dos direitos dos usuários. Foram convidados, entre outros, a diretora do Departamento de Serviços e de Universalização de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Miriam Wimmer; e a superintendente de Controle de Obrigações da Anatel, Karla Crosara Ikuma Rezende.

Senado

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática

Encontra-se na pauta da CCT projeto que dispõe sobre a digitalização e arquivamento de documentos em mídia ótica ou eletrônica. O parecer, do Sen. Davi Alcolumbre (DEM/AP), é pela rejeição. 

Também está na pauta projeto que reconhece a essencialidade do serviço de acesso à internet em banda larga e altera a Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, para prever sua prestação em regime público. O parecer do Sen. Walter Pinheiro (PT/BA) é pela aprovação com emenda.

Quarta-Feira, 21/10

Câmara dos Deputados

Comissão de Defesa do Consumidor

Encontra-se na pauta da CDC a votação do PL que dispõe sobre a obrigatoriedade das prestadoras do serviço de telefonia expandirem a cobertura do serviço para todos os distritos dos municípios abrangidos em sua área de outorga. A matéria possui parecer pela aprovação do dep. Elmar Nascimento (DEM/BA).

Comissão de Finanças e Tributação

A CFT pode votar PL que Altera a Lei nº 9.998, de 17 de agosto de 2000, que institui o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações para determinar a aplicação de recursos em educação e em ciência e tecnologia. O relator, dep. Rogério Rosso (PSD/DF), é pela aprovação da matéria.

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Inovação

A CCTCI pode votar o PL que sobre a prestação do serviço de telefonia móvel em regime público. O relator, dep. Flavinho (PSB/SP), é pela aprovação na forma de substitutivo.

Também está na pauta projeto que estabelece a obrigatoriedade de guarda de dados adicionais de usuários na provisão de aplicações que permitam a postagem de informações por terceiros na internet. O parecer é do dep. João Delry (PCdoB/RS) pela rejeição.

Senado

Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania

A CCJ pode votar projeto que prevê a infiltração de agentes da polícia na internet com o fim de investigar crimes contra a liberdade sexual de criança ou adolescente. O paracer do Sen. Humberto Costa (PT/PE) é pela aprovação da matéria.

Quinta-Feira, 22/10

Câmara dos Deputados

Comissão Especial sobre Direitos Autorais (PL 3968/97) Audiência Pública – 10h

A Comissão debaterá o tema às 10h em uma audiência pública com a advogada atuante na área de direitos autorais, Vanisa Santiago, o diretor geral da Sociedade Brasileira de Administração e Proteção dos Direitos Intelectuais (Socinpro), Silvio Cesar e o vice-presidente da Associação Brasileira de Direito Autoral (Abda), Hildebrando Pontes.

Regin: revelado megaspyware usado contra governos e empresas

As empresas de segurança da informação Symantec, criadora do antivírus Norton, e Kaspersky dizem terem identificado um spyware altamente sofisticado e sem precedentes. O grau de complexidade do código, chamado de Regin, sugere que ele tenha sido criado com recursos de algum governo. Ele tem sido utilizado pelo menos desde 2008 para coletar secretamente informações de governos, entidades privadas e indivíduos em diversos países, incluindo no Brasil.

1416777879918
Gráfico produzido pela Symantec. Estágios do ataque do Regin.

Segundo comunicado da Symantec, o programa malicioso atua como uma sequência de códigos que se executam em estágios encadeados entre si — cada um oculto e encriptado, exceto pelo primeiro. Ao serem acionados, os últimos estágios descarregam os códigos que abrem backdoors no sistema para capturar dados de digitação do teclado, senhas, informações de dispositivos USB que se conectem ao aparelho infectado e até para instalar um módulo de extração de e-mails — nem mesmo arquivos apagados conseguiriam fugir. A habilidade mais significativa do Regin, no entanto, é a capacidade de se infiltrar em bases GSM de redes de celular. Uma vez no controle dessas bases, o programa rouba credenciais de administradores do sistema, o que permite manipular a rede e instalar ferramentas para monitorar comunicações por celular — o que, segundo a Kaspersky, foi realizado em 2008 em algum país do Oriente Médio. Com o controle dessas redes, os atacantes podem até mesmo desligar completamente o serviço de telefonia móvel celular.

Os alvos do programa incluem pequenas empresas, redes de telecomunicações, empresas de energia, operadoras de linhas aéreas, instituições governamentais, indivíduos e institutos de pesquisas. Quanto aos dois últimos, os alvos são principalmente pessoas e instituições envolvidas em pesquisas sobre matemática avançada e criptografia. As invasões nos sistemas da Comissão Europeia e da empresa belga de telecomunicações Belgacom, ocorridas em 2011 e 2013, respectivamente, também estão confirmadas como ataques do Regin. Os dois casos estão entre os primeiros a levantarem a suspeita de um hipótético super spyware de vigilância. Contudo, a primeira versão do programa data de pelo menos 2008, talvez até antes.

Segundo a cobertura da rede de notícias do Qatar Al-Jazeera, o governo dos EUA e empresas prestadoras de serviços de inteligência apontam os governos da China e da Rússia como prováveis responsáveis. No entanto, indícios sugerem o envolvimento da agência de segurança nacional dos EUA, a NSA, e de sua contraparte britânica, o GCHQ. Dentre as informações vazadas pelo ex-agente da CIA, Edward Snowden, está a denúncia de que a NSA seria a responsável pela invasão no sistema da Comissão Européia. O GCHQ estaria também por trás da invasão do computador do famoso criptógrafo belga Jean-Jacques Quisquater, que também foi alvo do Regin, segundo a Kaspersky.

O pronunciamento da Symantec sugere que a maioria dos alvos do Regin estão concentrados na Rússia e na Arábia Saudita. A Kaspersky afirma ter encontrado o malware também em sistemas na Alemanha, Argélia, Índia, Afeganistão, Irã, Bélgica, Síria, Paquistão e Brasil.

Fontes

Retrospectiva da semana – 30/08 a 05/09

O que saiu por aqui:

Especialmente para o 9º Encontro Anual do Internet Governance Forum (IGF) foi divulgado o documento América Latina em um Relance: Direitos Humanos e a Internet (tradução livre de Latin America in a Glimpse: Human Rights and the Internet), produzido pela ONG Derechos Digitales, do Chile, em colaboração com a Associação para o Progresso das Comunicações (APC) e com a consultora Joana Varon Ferraz.

Mobilização online convoca protesto de Internautas contra a possível aprovação de um projeto de lei que autoriza a patente de seres vivos. Além de uma petição online, foi organizado um tuitaço na tarde desta terça-feira (2), a fim de sensibilizar os deputados para a gravidade da questão.

Também nesta terça (2), no 9º Encontro Anual do Fórum de Governança da Internet (IGF), foi lançado o relatório “Estado de Vigilância da Índia“, da organização indiana Centro de Direito de Liberdade de Software (SFLC.in). O documento, elaborado em parceria com a campanha Web We Want (“Internet que queremos”) da Fundação World Wide Web, apresenta um olhar profundo sobre vários aspectos da vigilância eletrônica no país..

 

O que ler por aí:

Na quinta-feira (4), Megan Smith, vice-presidente de uma das divisões de P&D do Google, foi nomeada secretária de tecnologia (chief technology officer) pelo presidente Barack Obama. Smith, engenheira formada no MIT, será responsável pelo planejamento e execução das políticas de informação e tecnologia dos EUA.

Após a divulgação não autorizada de fotografias da atriz Jennifer Lawrence, e subsequente ameaça de persecução judicial, o fórum de imagens 4chan anunciou a implementação de uma nova política contra violações de direito autoral. A nova política, baseada no DMCA, cria um mecanismo pra que proprietários de direitos sobre as imagens notifiquem o 4chan pedindo a retirada do conteúdo protegido.

órgãos policiais de diversas nacionalidades, especializados em cibercrimes, se unirão em uma força-tarefa para combater ameaças transnacionais, como difusão de vírus, ataques a bancos e roubo de dados pessoais. A força-tarefa estará baseada em Haia, Holanda, onde se localiza a sede da divisão de combate à cibercrimes da Europol. Até o momento, forças policiais da Alemanha, Áustria, Canadá, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Itália e Reino Unido se comprometeram a participar da iniciativa-piloto que durará seis meses.

A campanha Banda Larga é Um Direito Seu inaugura no dia 9 de setembro uma rodada de entrevistas com os candidatos a Presidência para conhecer – e cobrar – posicionamentos sobre políticas de acesso à Internet no país. A presidenta Dilma Rousseff será a primeira. A campanha reúne uma centena de entidades como Proteste, Idec, Artigo 19, FNDC, Intervozes, OAB-SP e UNE.

Na quarta-feira (3), foi publicado no Diário Oficial, contrato firmado entre o ministério das comunicações e serviço federal de processamento de dados – SERPRO. Nos termos do contrato, o Serpro hospedará o sistema de gestão e-Cidades para as 80 prefeituras que integram o projeto-piloto do programa de informatização  Cidades Digitais. As prefeituras incluídas no programa receberão recursos e capacitação do governo federal para a informatização da gestão municipal, incluíndo a implementação de aplicativos de governo eletrônico nas áreas financeira, tributária, de saúde e educação, que serão hospedados pelo Serpro.

 

Documento sobre Direitos Humanos e Internet na América Latina prepara a discussão do tema no IGF

Nesta semana, entre os dias 2 e 5 de setembro, ocorrerá o 9º Encontro Anual do Internet Governance Forum (IGF). Este ano o evento será realizado em Istanbul, na Turquia, e terá como tema central “Conectando Continentes para uma Aprimorada Governança Multissetorial da Internet”. Especialmente para o encontro foi divulgado o documento América Latina em um Relance: Direitos Humanos e a Internet (tradução livre de Latin America in a Glimpse: Human Rights and the Internet), produzido pela ONG Derechos Digitales, do Chile, em colaboração com a Associação para o Progresso das Comunicações (APC) e com a consultora Joana Varon Ferraz.

Logo de início, o texto esclarece seu objetivo:

Este documento apresenta um resumo de alguns aspectos em discussão na América Latina relativos aos direitos humanos e à Internet. Esta iniciativa foi especialmente feita para ampliar a compreensão da região na comunidade internacional reunida no Fórum da Governança da Internet 2014.

O documento se divide nas seguintes seções temáticas:

  • América Latina: há uma breve explicação contextual sobre a região, incluindo a situação de desenvolvimento da Internet e dos direitos humanos.

    Capa do documento "América Latina de relance: Direito Humanos e a Internet", mostrando, sobre um fundo bege e sob o título da obra, um globo cinza, centrado na América Latina e com o sul orientado para cima, além de um balão no canto superior direito e um cavalo no canto inferior direito, ambos litografados.
    América Latina de relance: Direito Humanos e a Internet
  • Neutralidade de rede: ameaças e oportunidades relativas ao tema. Merece destaque a referência honrosa ao Marco Civil da Internet brasileiro.
  • Cibersegurança: além das ameaças e oportunidades, menciona uma legislação polêmica sobre cibercrimes aprovada no Peru em 2013.
  • Liberdade de expressão: expressa a ambiguidade da situação latinoamericana atual, expondo a crises no México, na Colômbia, na Venezuela, no Equador e no Brasil. Há esperança a partir de manifestações do Relator Especial da Comissão Interamericana de Direitos Humanos para Liberdade de Expressão, que destacam o papel da Internet no tema.
  • Direito à não discriminação: além dos temas de discriminação racial, de gênero, de nacionalidade e de orientação sexual, o documento menciona pesquisa argentina sobre como criminosos do ramo do tráfico de pessoas recorrem à Internet para localizar vítimas potenciais.
  • Direito à privacidade e vigilância digital: nesse ponto, entram questões relativas às revelações de Edward Snowden e, também, a necessidade de implementar legislações de proteção de dados em diversos países latinoamericanos. Destaca-se, também, a importância da conscientização popular sobre o tema.
  • Debate sobre governança da Internet na América Latina: além de oportunidades e ameaças, há um breve histórico e exposições sobre subtemas que permeiam o debate e elementos chave.

 Espera-se que a inclusão da América Latina nos debates sobre governança da Internet, com a participação de ONGs como a Derechos Digitales, desloque as discussões para além das instituições públicas e privadas dos EUA e Europa. Expor as necessidades e soluções propostas pelos países latinoamericanas é um passo importante na construção de um sistema global de governança que inclua os países do sul.

Retrospectiva da semana – 07/06 a 13/06

O que saiu por aqui:

O iOS 8 trará uma novidade interessante para a privacidade do usuário: ao buscar redes sem fio, o telefone vai emitir endereços MAC aleatoriamente,  o que dificulta o rastreamento de aparelhos.

Dezessete grupos universitários dos Estados Unidos publicaram cartas abertas sobre os efeitos reais da vigilância em massa sobre a liberdade acadêmica e a vida no campus. As cartas abertas são uma resposta convocação publicada pela EFF contra as ações ilegais da NSA.

Na Ucrânia, um pequeno grupo de estudantes e profissionais de jornalismo criou o site Stopfake.org, dedicado à apurar fatos relacionados aos conflitos que ocorrem no país. A atividade fundamental da iniciativa é desmascarar notícias fabricadas, fotos e vídeos falsos, adulterados ou creditados erroneamente.

Na última quarta-feira (11), por determinação do Ministério Público do Rio de Janeiro, foram executados mandados de busca e apreensão de equipamentos eletrônicos de seis pessoas suspeitas de difamar Aécio Neves (PSDB-MG).

O que ler por aí:

Um grupo formado por representantes de diversas organizações e empresas, incluindo escritórios de advocacia e empresas de segurança em TI, divulgou essa semana um “cybermanifesto”, no qual advoga pela necessidade de uma ampliação no rol de tipos penais existentes para a criação de tipos dedicados exclusivamente ao combate de “cibercrimes”, a fim de proteger “o bem-estar econômico das empresas brasileiras e os interesses do Governo”.