Arquivo da tag: IGF

O que o Ministério Público Federal tem a dizer sobre o Internet.org

O projeto Internet.org, lançado em agosto de 2013 pelo Facebook e outras gigantes das telecomunicações, tem sido desde então alvo de polêmicas e debates, consequência de sua ousada proposta de levar o acesso à Internet a comunidades carentes em diversos países em desenvolvimento. O foco dessas discussões gira em torno do formato do serviço, que permitiria o acesso grátis, por meio de seu aplicativo, apenas a endereços previamente autorizados por seus administradores.

Recentemente, o projeto recebeu um forte baque com a publicação da Nota Técnica nº 2/2015 da Procuradoria Geral da República, durante o Fórum de Governança da Internet (IGF 2015), realizado em João Pessoa entre 10 e 13 de novembro de 2015. A nota, intitulada “Análise do Projeto ‘Internet.org’ e o Princípio da Neutralidade de Rede”, apresenta parecer extremamente desfavorável ao projeto, afirmando que “não está adequado ao cumprimento das finalidades legais” sob a luz do princípio da neutralidade da rede. Continue lendo O que o Ministério Público Federal tem a dizer sobre o Internet.org

Retrospectiva da semana – 30/08 a 05/09

O que saiu por aqui:

Especialmente para o 9º Encontro Anual do Internet Governance Forum (IGF) foi divulgado o documento América Latina em um Relance: Direitos Humanos e a Internet (tradução livre de Latin America in a Glimpse: Human Rights and the Internet), produzido pela ONG Derechos Digitales, do Chile, em colaboração com a Associação para o Progresso das Comunicações (APC) e com a consultora Joana Varon Ferraz.

Mobilização online convoca protesto de Internautas contra a possível aprovação de um projeto de lei que autoriza a patente de seres vivos. Além de uma petição online, foi organizado um tuitaço na tarde desta terça-feira (2), a fim de sensibilizar os deputados para a gravidade da questão.

Também nesta terça (2), no 9º Encontro Anual do Fórum de Governança da Internet (IGF), foi lançado o relatório “Estado de Vigilância da Índia“, da organização indiana Centro de Direito de Liberdade de Software (SFLC.in). O documento, elaborado em parceria com a campanha Web We Want (“Internet que queremos”) da Fundação World Wide Web, apresenta um olhar profundo sobre vários aspectos da vigilância eletrônica no país..

 

O que ler por aí:

Na quinta-feira (4), Megan Smith, vice-presidente de uma das divisões de P&D do Google, foi nomeada secretária de tecnologia (chief technology officer) pelo presidente Barack Obama. Smith, engenheira formada no MIT, será responsável pelo planejamento e execução das políticas de informação e tecnologia dos EUA.

Após a divulgação não autorizada de fotografias da atriz Jennifer Lawrence, e subsequente ameaça de persecução judicial, o fórum de imagens 4chan anunciou a implementação de uma nova política contra violações de direito autoral. A nova política, baseada no DMCA, cria um mecanismo pra que proprietários de direitos sobre as imagens notifiquem o 4chan pedindo a retirada do conteúdo protegido.

órgãos policiais de diversas nacionalidades, especializados em cibercrimes, se unirão em uma força-tarefa para combater ameaças transnacionais, como difusão de vírus, ataques a bancos e roubo de dados pessoais. A força-tarefa estará baseada em Haia, Holanda, onde se localiza a sede da divisão de combate à cibercrimes da Europol. Até o momento, forças policiais da Alemanha, Áustria, Canadá, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Itália e Reino Unido se comprometeram a participar da iniciativa-piloto que durará seis meses.

A campanha Banda Larga é Um Direito Seu inaugura no dia 9 de setembro uma rodada de entrevistas com os candidatos a Presidência para conhecer – e cobrar – posicionamentos sobre políticas de acesso à Internet no país. A presidenta Dilma Rousseff será a primeira. A campanha reúne uma centena de entidades como Proteste, Idec, Artigo 19, FNDC, Intervozes, OAB-SP e UNE.

Na quarta-feira (3), foi publicado no Diário Oficial, contrato firmado entre o ministério das comunicações e serviço federal de processamento de dados – SERPRO. Nos termos do contrato, o Serpro hospedará o sistema de gestão e-Cidades para as 80 prefeituras que integram o projeto-piloto do programa de informatização  Cidades Digitais. As prefeituras incluídas no programa receberão recursos e capacitação do governo federal para a informatização da gestão municipal, incluíndo a implementação de aplicativos de governo eletrônico nas áreas financeira, tributária, de saúde e educação, que serão hospedados pelo Serpro.

 

IGF: ong lança relatório sobre vigilância na Índia

Nesta terça (2), em Istambul, durante o 9º Encontro Anual do Fórum de Governança da Internet (IGF), foi lançado o relatório “Estado de Vigilância da Índia“, da organização indiana Centro de Direito de Liberdade de Software (SFLC.in). O documento, elaborado em parceria com a campanha Web We Want (“Internet que queremos”) da Fundação World Wide Web, apresenta um olhar profundo sobre vários aspectos da vigilância eletrônica no país.

Capa do documento "Estado de Vigilância da Índia", mostrando, sobre um fundo amarelo e sob o título da obra, um mapa branco da Índia, preenchido por palavras relacionadas à vigilância eletrônica dispostas na diagonal ascendente para a direita, com uma câmera de vigilância no canto superior direito apontada para um homem indiano no canto inferior esquerdo, além dos simbolos da SFLC.in e da World Wide Web Foundation
Relatório “Estado de Vigilância da Índia” (en), elaborado pelo SFLC.in

O SFLC.in é uma organização sem fins lucrativos de serviços jurídicos, que reúne advogados, analistas políticos, tecnólogos e pesquisadores para proteger a liberdade no mundo digital. Durante o lançamento, seu diretor executivo, Mishi Choudhary, contextualizou a importância do relatório:

“Estamos felizes por lançar o primeiro de uma série de relatórios sobre a vigilância das comunicações na Índia e estamos esperançosos de que ele vai lançar um diálogo construtivo sobre on-line privacidade no país. Nós também estamos muito otimistas em relação ao novo governo indiano, que ao contrário de seu antecessor assumiu a questão da vigilância estatal a sério. Estamos ansiosos para trabalhar com eles no sentido de construir uma internet mais igual. Somos gratos à Web Queremos Iniciativa para a sua orientação e apoio”

A publicação examina o quanto as previsões legais da Índia estão de acordo com os 13 Princípios Internacionais sobre a Aplicação dos Direitos Humanos para Comunicações Vigilância, lançados em julho de 2013 após uma consulta global realizada com grupos da sociedade civil, indústria e especialistas internacionais.

Entre outros pontos críticos, o  relatório aponta que:

  • Só o governo federal emite mais de um 100 mil ordens de interceptação telefônica por ano;
  • A vigilância estatal sobre as comunicações privadas dos cidadãos é autorizada por leis que, sem estabelecer nenhuma supervisão independente, preveem uma ampla lista de fundamentos pelos quais às autoridades policiais podem monitorar telefonemas, textos, e-mails e a atividade online em geral;
  • Há um número desconhecido de sistemas instalados legalmente para coletar dados e metadados de cidadãos das redes de comunicação, com estágios de desenvolvimento variado em tecnologia e bancos de dados, com o governo terceirizando a atividade de vigilância para entes privados;
  • Serão instalados pelo país mais de 1000 centros de dados, com 300GB cada, para o programa “Network Traffic Analysis“, desenvolvido pelo laboratório indiano de pesquisa em defesa Centre for Artificial Intelligence and Robotics e utilizado em larga escala desde janeiro de 2014 pelas agências do governo de inteligência “doméstica (Intelligence Bureau)” e “estrangeira (Research and Analysis Wing)“.
  • A legislação, as políticas públicas e as práticas indianas em matéria de vigilância não obedecem o direito internacional dos direitos humanos, conforme comprovado pelo relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos lançado em 30 de junho de 2014.

 

Documento sobre Direitos Humanos e Internet na América Latina prepara a discussão do tema no IGF

Nesta semana, entre os dias 2 e 5 de setembro, ocorrerá o 9º Encontro Anual do Internet Governance Forum (IGF). Este ano o evento será realizado em Istanbul, na Turquia, e terá como tema central “Conectando Continentes para uma Aprimorada Governança Multissetorial da Internet”. Especialmente para o encontro foi divulgado o documento América Latina em um Relance: Direitos Humanos e a Internet (tradução livre de Latin America in a Glimpse: Human Rights and the Internet), produzido pela ONG Derechos Digitales, do Chile, em colaboração com a Associação para o Progresso das Comunicações (APC) e com a consultora Joana Varon Ferraz.

Logo de início, o texto esclarece seu objetivo:

Este documento apresenta um resumo de alguns aspectos em discussão na América Latina relativos aos direitos humanos e à Internet. Esta iniciativa foi especialmente feita para ampliar a compreensão da região na comunidade internacional reunida no Fórum da Governança da Internet 2014.

O documento se divide nas seguintes seções temáticas:

  • América Latina: há uma breve explicação contextual sobre a região, incluindo a situação de desenvolvimento da Internet e dos direitos humanos.

    Capa do documento "América Latina de relance: Direito Humanos e a Internet", mostrando, sobre um fundo bege e sob o título da obra, um globo cinza, centrado na América Latina e com o sul orientado para cima, além de um balão no canto superior direito e um cavalo no canto inferior direito, ambos litografados.
    América Latina de relance: Direito Humanos e a Internet
  • Neutralidade de rede: ameaças e oportunidades relativas ao tema. Merece destaque a referência honrosa ao Marco Civil da Internet brasileiro.
  • Cibersegurança: além das ameaças e oportunidades, menciona uma legislação polêmica sobre cibercrimes aprovada no Peru em 2013.
  • Liberdade de expressão: expressa a ambiguidade da situação latinoamericana atual, expondo a crises no México, na Colômbia, na Venezuela, no Equador e no Brasil. Há esperança a partir de manifestações do Relator Especial da Comissão Interamericana de Direitos Humanos para Liberdade de Expressão, que destacam o papel da Internet no tema.
  • Direito à não discriminação: além dos temas de discriminação racial, de gênero, de nacionalidade e de orientação sexual, o documento menciona pesquisa argentina sobre como criminosos do ramo do tráfico de pessoas recorrem à Internet para localizar vítimas potenciais.
  • Direito à privacidade e vigilância digital: nesse ponto, entram questões relativas às revelações de Edward Snowden e, também, a necessidade de implementar legislações de proteção de dados em diversos países latinoamericanos. Destaca-se, também, a importância da conscientização popular sobre o tema.
  • Debate sobre governança da Internet na América Latina: além de oportunidades e ameaças, há um breve histórico e exposições sobre subtemas que permeiam o debate e elementos chave.

 Espera-se que a inclusão da América Latina nos debates sobre governança da Internet, com a participação de ONGs como a Derechos Digitales, desloque as discussões para além das instituições públicas e privadas dos EUA e Europa. Expor as necessidades e soluções propostas pelos países latinoamericanas é um passo importante na construção de um sistema global de governança que inclua os países do sul.